Blo aftosa 2-min
Febre Aftosa

A febre aftosa é um grande desafio para o Brasil, pois barreiras comerciais podem restringir as exportações de carne, além de impedir que o produto brasileiro possa alcançar novos mercados. É uma doença de grande importância econômica, causando elevados prejuízos aos produtores.

A ocorrência de focos no país, afetará negativamente a pecuária reduzindo em primeira ordem a produção de carne e leite, diminuindo a rentabilidade da propriedade. Posteriormente gera impacto direto nas exportações do país, pois o comércio internacional depende diretamente da confiabilidade dos alimentos de origem animal, que devem ser isentos desta enfermidade. Tendo como consequência redução dos preços desta comodity, além de custos adicionais públicos e privados para adoção de medidas para conter o foco e retomar o status sanitário.

Com isso, o Brasil conta com um Programa Nacional de Vigilância para a Febre Aftosa – PNEFA, que tem como objetivo principal criar e manter condições sustentáveis para garantir o status de país livre da febre aftosa e ampliar as zonas livres de febre aftosa sem vacinação, protegendo o patrimônio pecuário nacional e gerando o máximo de benefícios aos pecuaristas e à sociedade brasileira.

Desde 2018 o Brasil na sua totalidade se tornou livre de Febre Aftosa, sendo de responsabilidade de cada Estado garantir a meta estratégica estabelecida pelo Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento – MAPA, para manutenção do status alcançado e avançar na implantação gradativa de zonas livres sem vacinação no país, conforme Plano Estratégico do PNEFA 2017 – 2026.

A campanha nacional de vacinação contra a febre aftosa de 2021 vai começar no dia 1° de maio, como divulgou o MAPA. A vacinação ocorre em duas etapas:

– Maio (01 a 31/05): todos os bovinos e bubalinos devem ser vacinados;

– Novembro (01 a 30/11): são vacinados bovinos e bubalinos com até 24 meses;

 

Somente no Espírito Santo esta ordem se inverte, como poderá ser visto no calendário de vacinação do Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento:

 

    O que é a Febre Aftosa?

A febre aftosa é uma enfermidade altamente contagiosa causada por um vírus, que acomete animais biungulados (casco fendido) como: bovinos, bubalinos, caprinos, ovinos e suínos.

Os principais sintomas são:

– Feridas (bolhas, aftas) na boca, nas tetas e entre as unhas;

– Salivação em excesso (babam), os animais não comem e não bebem;

– Andam com dificuldade (manqueira);

– Se isolam dos outros animais;

– Apresentam febre alta, podendo ter tremores;

– Em vacas leiteiras pode haver diminuição rápida da produção de leite.

 

O vírus causador dessa enfermidade se dissemina rapidamente entre as propriedades por meio de contato com objetos e materiais contaminados (ferramentas, botas, roupas, veículos, ar, água, ração, etc.) e pelo trânsito de animais infectados.

Por que vacinar o rebanho?

Essa doença possui potencial de afetar rapidamente todo o rebanho, a vacina contra a febre aftosa é utilizada para desenvolver imunidade no rebanho e para dificultar a propagação do vírus no ambiente, fazendo dessa forma com que haja maior controle da doença. Reduzindo todas as consequências sociais e financeiras que a doença traz para o produtor.

Recomendações para vacinação

Antes da vacinação:

– As vacinas devem ser adquiridas em lojas cadastradas e com registro nos órgãos de inspeção animal;

– Desinfetar os equipamentos: seringas e agulhas;

– Conservar as vacinas dentro de uma caixa térmica ou de isopor com gelo, mantendo-as entre 2°C e 8° C;

– Utilizar seringas calibradas para dose de 2 ml e agulhas novas 15×18 ou 15×20;

Durante a aplicação:

– Manter os frascos de vacina dentro de caixa térmica, abrigados da luz do sol;

– Quando a pistola não estiver em uso, mantê-la dentro da caixa térmica;

– Agitar o frasco de vacina antes de encher a seringa;

– Eliminar as bolhas de ar da seringa após o seu enchimento;

– Aplicar a vacina na tábua do pescoço, por via subcutânea ou intramuscular;

– Manter a seringa limpa e trocar as agulhas periodicamente;

– Anotar a quantidade de animais vacinados por sexo e idade para declaração de vacinação para o órgão oficial de cada estado, junto com a nota fiscal de compra das vacinas.

 

Faça a vacinação do seu rebanho de forma correta e nos períodos previstos conforme calendário nacional de vacinação.

A Araguaia está preparada para te atender, com foco em relacionamento, buscando sempre o melhor retorno financeiro de sua atividade. Contamos com equipe técnica especializada e um portfólio de produtos completo para a pecuária.

Garanta já a imunização do seu rebanho, conte conosco!

 

Autor: Filipe Barros de Oliveira – Engenheiro Agrônomo – Esp. Manejo de Pastagem, Coordenador Técnico de Pecuária

 

Referências:

MAPA. Plano Estratégico do Programa Nacional de Erradicação e Prevenção da Febre Aftosa (PNEFA), Departamento de Saúde Animal, Secretaria de Defesa Agropecuária, Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento MAPA.

Disponível em <https://www.gov.br/agricultura/pt-br/assuntos/sanidade-animal-e-vegetal/saude-animal/programas-de-saude-animal/febre-aftosa/plano-estrategico-pnefa-2017-2026>  Acesso em: 29 de abril,2021.

INDEA. Febre Aftosa, Instituto de Defesa Agropecuária de Mato Grosso.

Disponível em <http://www.indea.mt.gov.br/-/6099212-febre-aftosa?ciclo=> Acesso em: 29 de abril, 2021.

MAPA. Calendário Nacional de Vacinação dos Bovinos e Bubalinos contra a Febre Aftosa no Brasil – 2021, Departamento de Saúde Animal, Secretaria de Defesa Agropecuária, Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento MAPA.

Disponível em < https://www.gov.br/agricultura/pt-br/assuntos/sanidade-animal-e-vegetal/saude-animal/programas-de-saude-animal/febre-aftosa/copy5_of_CalendriodeVacinao_2021.pdf> Acesso em: 29 de abril,2021.

DEFESA AGRICULTURA. Programa Estadual de Erradicação da Febre Aftosa (PEEFA) Secretaria de Agricultura e Abastecimento, Coordenadoria de Defesa Agropecuária, Estado de São Paulo

Disponível em < https://www.defesa.agricultura.sp.gov.br/www/programas/?/sanidade-animal/programa-estadual-de-erradicacao-da-febre-aftosa/&cod=4> Acesso em: 29 de abril, 2021.