pimentão site-min
Curiosidades sobre a cultura do Pimentão.

A cultura do pimentão se mantém dentre as dez culturas de hortaliças de maior importância econômica no mercado brasileiro (ECHER et al., 2002; FILGUEIRA, 2008). Os frutos são comercializados verdes (70%) e maduros (30%). Os frutos maduros, por permanecerem mais tempo na planta até seu amadurecimento total, estão associados ao estresse das plantas e consequente redução da produtividade e maior custo de produção (Henz et al., 2007; SHOGWE et al., 2010; SOUZA et al., 2011), entretanto, é considerável a demanda por pimentões coloridos, que apresentam maior valor no mercado.

As colorações dos pimentões não estão somente direcionadas ao estádio de maturação do fruto (verde -> amarelo -> vermelho), mas também a variedade do material. Algumas variedades apresentam frutos amarelos ou vermelhos quando maduros. Colorações estas que estão, também, ligadas aos benefícios.

O pimentão verde apresenta a presença de clorofila, pigmento responsável por captar a luz durante o processo fotossíntese. Ao iniciar o processo de maturação dos frutos, a clorofila começa a se decompor e outros tipos de pigmentos tomam o seu lugar. As cores amarela e vermelha se devem a presença de pigmentos carotenoides. Os pimentões amarelos apresentam alta quantidade de violaxantina, luteína e betacaroteno (pigmentos amarelos que compõe uma das divisões do grupo carotenoide).  Já os pimentões vermelhos produzem os carotenóides: capsantina (pigmento encontrado em frutos maduros de pimenta, é antioxidante e auxilia na diminuição de células cancerígenas) e capsorubina, esses dois compostos são encontrados quase que exclusivamente em pimentões vermelhos, pois a maioria das plantas não são capazes de produzir esses carotenóides (CLUBE DA QUÍMICA, 2021).

Os benefícios do pimentão variam de acordo com o seu grau de maturação e coloração. Quando verde, esse legume é rico em vitamina E, carotenoides e betacaroteno, que ajudam o organismo na prevenção de doenças tais como cataratas, câncer de próstata, de pulmão, de intestino e garganta. É uma importante fonte de vitaminas do complexo B, minerais (potássio, fósforo, magnésio e cálcio), ácidos graxos insaturados e bioflavonoides, isto é, componentes que são verdadeiros antioxidantes (CEAGESP, 2021).

Quando amarelo, aumenta os teores de vitamina C (mais do que nos demais pimentões), sendo que 100 gramas desse alimento apresentam mais de 200% da quantidade mínima de ingestão diária recomendada de vitamina C (60 mg de vitamina C por dia). Possui ação expectorante, descongestionante, antibacteriana e indutor de termogênese, além disso trabalha na dissolução de coágulos sanguíneos (CEAGESP, 2021). Já o pimentão vermelho é rico em antioxidantes como o licopeno que contribuem para a redução de problemas cardiovasculares. Rico em vitamina C e vitamina E. Este apresenta maiores valores de ácido ascórbico e betacaroteno. Seu consumo é indicado para pessoas com diabetes devido as suas propriedades hipoglicêmicas (CEAGESP, 2021).

Além dos benefícios da inclusão de pimentões na dieta do ser humano, é essencial dar o crédito ao produtor rural que é um dos “atores” com grande importância na cadeia de abastecimento desse vegetal. Várias responsabilidades estão atreladas à sua função, e para que os resultados produtivos sejam rentáveis e sustentáveis, de maneira que o produtor receba o bônus da implementação de um sistema produtivo e que o produto chegue ao consumidor final em condições acessíveis é necessário observar os mais variados detalhes envolvidos na produção dessa hortaliça. Nesse sentido, ressaltamos que a Araguaia é um grande player do negócio de hortaliças, fornecendo soluções completas ao produtor rural parceiro. Visite uma de nossas lojas e conheça nosso time de técnicos que estão prontamente disponíveis para sanar as dúvidas sobre o manejo dessa cultura.

Autor: Júlio César de Lima Veloso – Engenheiro Agrônomo – AT | DM HF.

Referências

CANTUÁRIO, F. S. Produção de pimentão submetido a estresse hídrico e silicato de potássio em cultivo protegido.Universidade Federal de Uberlândia, Uberlândia-MG. 2012. 93p.

CEAGESP. Disponível em: http://www.ceagesp.gov.br/comunicacao/noticias/conheca-os-beneficios-de-se-consumir-pimentao-vermelho-e-amarelo/. Acesso em: maio de 2021.

CEAGESP. Disponível em: http://www.ceagesp.gov.br/comunicacao/noticias/pimentao-e-o-produto-da-semana-2811/. Acesso em: maio de 2021.

CEAGESP. Disponível em: https://clubedaquimica.com/2016/07/23/as-cores-do-pimentao/. Acesso em: maio de 2021.

ECHER, M. M.; FERNANDES, M. C. A.; RIBEIRO, R. L. D.; PERACCHI, A. L. Avaliação de genótipos de Capsicum para resistência a ácaro branco. Horticultura Brasileira, Brasília, DF, v.20, p. 217-221, 2002.

FILGUEIRA, F. A. R. Novo manual de olericultura: agrotecnologia moderna na produção e comercialização de hortaliças. 3ªed. Viçosa. UFV, 2008. 421p.

Henz, G. P.; Costa, C. S. R.; Carvalho, S.; Banci, C.A. Como cultivar pimentão. Caderno Técnico da edição da Cultivar HF, n.42, p.1-7, 2007.

SHONGWE, V. D.; MAGONGO, B. N.; MASARIRAMBI, M. T.; MANYATSI, A. M. Effects of irrigation moisture regimes on yield and quality of paprika (Capsicum anuum L). Physics and Chemistry of the Earth, v. 35, p. 717 – 722, 2010.

SOUZA, V. F.; MAROUELLI, W. A.; COELHO, E. F.; PINTO, J. M.; COELHO FILHO, M. A. Irrigação e fertirrigação em fruteira e hortaliças. Brasília DF. Embrapa Informação Tecnológica, 2011.721-736 p.